Share
Save

XVIII Simpósio Internacional Sobre Alimentos Funcionais e Compostos Bioativos

XVII Simpósio Internacional Sobre Alimentos Funcionais e Compostos Bioativos
São Paulo, Brasil
05/11/2019

Leite de vaca é mais rico em nutrientes comparado com bebidas à base de extrato vegetal 

No último dia 05 de novembro, o International Life Sciences Institute (ILSI) Brasil realizou o XVIII Simpósio Internacional Sobre Alimentos Funcionais e Compostos Bioativos, que reuniu profissionais de saúde, alimentação e nutrição para discutir as principais formas de utilização e benefícios de compostos bioativos na nutrição. O evento foi uma realização da Força-Tarefa Alimentos Funcionais, coordenada pelo Professor Emérito da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF-USP), Franco Lajolo.

Entre os palestrantes convidados, esteve o médico veterinário, Dr. Aníbal Vercesi Filho, Pesquisador do Centro de Pesquisa de Genética e Reprodução Animal do Instituto de Zootecnia (IZ). Ele falou sobre os principais aspectos relacionados aos polimorfismos (variantes genéticas) da caseína do leite, além de ressaltar as principais vantagens do consumo da proteína na saúde humana. “De todos os tipos de leite, o de vaca ainda é o mais completo em benefícios à saúde quando comparado com as bebidas à base de extrato vegetal”, comentou o especialista.

Das proteínas que compõem o leite de vaca, 80% são caseínas e 20% são do soro. As variantes da beta-caseína presentes no leite bovino são a A2, que é original do leite, e A1, proveniente de uma mutação que surgiu em raças europeias. A variante A1, que tem substâncias químicas com atividades similares à morfina, encontram-se inativas na composição da proteína. Porém, com a digestão ou processamento são “ativadas”, podendo ou não gerar um processo inflamatório, que muitas vezes, é confundido com intolerância à lactose. Para esta necessidade, foi produzido o leite tipo A2, que isola somente a beta-caseína A2, reduzindo os riscos trazidos pela A1.

A proteína é um dos nutrientes essenciais à saúde e deve fazer parte de uma alimentação equilibrada. Entre suas funções, as mais conhecidas são o auxílio na recuperação muscular, produção de hormônios e defesa do organismo. Além da proteína, o leite de vaca é rico em cálcio, além de outros micronutrientes importantes como potássio, fósforo e vitaminas B12, A e D. 

O evento teve ainda como temas fibras alimentares, peptídeos bioativos, suplementos de origem botânica e proteínas vegetais. A mesa sobre probióticos abordou o avanço de seus mecanismos de ação. O Professor e Pesquisador Adjunto do CONICET, no Instituto de Lactologia Industrial, Faculdade de Engenharia Química da Universidad Nacional del Litoral em Santa Fe (Ar), Gabriel Vinderola, falou sobre as perspectivas no desenvolvimento dos probióticos e sua utilização na alimentação e em produtos farmacêuticos na América Latina, ressaltando sua complexidade de estudo, uma vez que cada probiótico tem uma função específica e age de maneira diferente na microbiota intestinal.

 

Palestras disponíveis:

Polimorfismos da caseína do leite – Dr. Aníbal Vercesi Filho (Instituto de Zootecnia)

Proteínas vegetais e seu papel na saúde cardiometabólica – Dra. Michelle Braun (DuPont)

Peptídeos bioativos – Dra. Maria Teresa Bertoldo Pachedo (ITAL)

Hábitos de consumo de suplementos alimentares na América Latina – Fernanda Nogueira (ALANUR)

Ingestão de compostos bioativos pela população brasileira – Dra. Renata Carnaúba (FoRC USP)

Avaliação da qualidade das evidências – Dr. Álvaro Atallah (Cochrane Brasil)

Mesa Probióticos

Atualização em mecanismos de ação – Dr. Dan Waitzberg (GANEP)

Complexidade da avaliação da eficácia – Dra. Cristina Bogsan (FCF USP)

Perspectivas no desenvolvimento de probióticos – Dr. Gabriel Vinderola (Universidad Nacial del Litoral)