Share
Save

XII Atualidades em Food Safety

Sessão virtual, Go to Webinar
11/09/2020 – 18/09/2020

Órgãos reguladores garantem a segurança de contaminantes em alimentos

Em webinar realizado pelo ILSI Brasil, especialistas definiram e falaram sobre os principais aspectos destas substâncias e as medidas de segurança para a saúde humana e do meio ambiente

No mês de setembro, o International Life Sciences Institute (ILSI) Brasil, por meio da Força-Tarefa Food Safety, realizou o XII Atualidades em Food Safety, evento que, anualmente, discute as principais tendências em segurança dos alimentos. O primeiro bloco, realizado no dia 11 de setembro, abordou aspectos regulatórios dos contaminantes, além de suas propriedades em alimentos in natura. Este bloco teve coordenação da Dra. Maria Beatriz de Abreu Glória, Engenheira de Alimentos, Professora Titular Livre aposentada da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Coordenadora Adjunta da Área de Alimentos da Capes, além de membro do comitê assessor da Fapeming e do Joint Expert Commitee in Food Additives (JECFA, FAO, WHO); e da Nutricionista Amanda Poldi, especialista em rotulagem de alimentos, com atuação na área regulatória há cerca de 20 anos. Hoje, Amanda é Líder Regional de Assuntos Científicos e Regulatórios na Cargill para a América Latina e Vice Presidente do ILSI Brasil.

Durante sua palestra, a Veterinária, especialista em Vigilância Sanitária, Dra. Ligia L. Schreiner, apontou alguns aspectos da legislação dos contaminantes. “Os contaminantes estão inevitavelmente presentes nos alimentos, mesmo utilizando as melhores práticas disponíveis de produção. Por isso, o papel regulatório é estabelecer um limite, levando em consideração o gerenciamento do risco de contaminação”, comentou. Ela ressaltou, ainda, que este gerenciamento depende de alguns fatores, como o código de práticas, a comunicação de risco, programas de monitoramento, além de ações de fiscalização, que cabem aos órgãos regulatórios como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e o estabelecimento de limites máximos de uso.

Estes limites apontados pela Dra. Ligia são estabelecidos visando a proteção da saúde humana, especialmente, em produtos primários, como ingredientes. Porém, está em constante mudança. Se forem detectadas novas situações em relação aos contaminantes e seus níveis máximos de uso, a regulamentação será modificada, quer pela inclusão de novas concentrações aceitas ou pela remoção daquelas substâncias consideradas desnecessárias para aquele uso.

Para complementar, a Dra. Flávia B. Custódio, Farmacêutica e Professora Adjunta da UFMG, apontou que, quando se trata de toxicidade, é preciso realizar estudos que mostrem a ação dos possíveis agentes tóxicos no organismo por meio da alimentação. Assim é que se pode dizer  se o contaminante, que pode ser de origem marinha, metálica ou microbiana, tem ou não efeito tóxico. Para isso, testes e estudos realizados seguem protocolos de proteção e segurança, que visam manter a saúde humana e ambiental ilesas.

O segundo bloco do evento, realizado no dia 18 de setembro, continuou a desenvolver o tema, com as palestras intituladas “Contaminantes em alimentos processados”, liderada pela Dra. Adriana Arisseto (UNICAMP); e “Contaminantes em embalagens”, conduzida pela Dra. Marisa Padula (ITAL).

A Dra. Adriana Arisseto, Engenheira de Alimentos, Professora Doutora do Departamento de Ciência de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Coordenadora Científica da Força-Tarefa Food Safety, afirmou que, “os contaminantes do processamento podem ser definidos como substâncias indesejáveis, potencialmente tóxicas, que não ocorrem na matéria-prima, mas que estão presentes em alimentos e bebidas como resultado do seu processamento ou preparação”, lembrando que estratégias de mitigação devem ser desenvolvidas e aplicadas para reduzir a exposição humana a estes compostos sem introduzir novas preocupações.

Ela aproveitou, também, para reiterar algumas vantagens do processamento de alimentos, como evitar a deterioração durante o transporte e o armazenamento, garantir sua segurança, tornar o alimento disponível de forma desejada, reduzir perdas e resíduos, manter sabor, cor e textura características e aumentar a digestibilidade e biodisponibilidade de componentes alimentares.

A última palestra foi ministrada pela Dra Marisa Padula, Engenheira de Alimentos, Docente curso de pós-graduação do Ital e membro do Grupo de Embalagens e Equipamentos em Contato com Alimentos da Anvisa. Nela, a Dra. abordou contaminantes em embalagens e a importância da segurança destes objetos que envolvem os alimentos. “Pode ocorrer a transferência de produtos químicos da embalagem para os alimentos e isso pode ter um impacto negativo na qualidade e segurança. Por isso, é necessário garantir a segurança destes materiais”, explicou.

A principal forma de segurança de embalagens apontada pela Dra. Marisa é a lista positiva de substâncias aprovadas para uso na formulação de materiais com uso proposto para contato com alimentos. Sua utilização é dada como segura para a aplicação prevista, desde que cumpra as especificações e restrições estabelecidas pelos órgãos reguladores. Ou seja, se uma embalagem é produzida com substâncias da lista positiva, ela estará segura para envolver alimentos.

Para saber mais sobre os contaminantes e todos os aspectos abordados no XII Atualidades em Food Safety, confira os vídeos completos, disponíveis no canal do ILSI Brasil no YouTube.

A Força-Tarefa Food Safety é subordinada ao Comitê de Avaliação do Risco e foi criada em 2005, em continuidade aos trabalhos iniciados pela FT Avaliação do Risco Microbiológico e FT Aditivos Alimentares, criadas em 2001 e 2002 respectivamente. A partir de 2005 decidiu-se ampliar o escopo da FT, antes microbiologia, visando contemplar outros aspectos ligados à inocuidade dos alimentos, incluindo alergia alimentar, aditivos e contaminantes químicos, físicos e biológicos.

1º bloco: dia 11 de setembro de 2020, às 10h
“Contaminantes: aspectos gerais e regulatórios” – Dra. Ligia Schreiner (ANVISA)
“Contaminantes em alimentos in natura” – Dra. Flávia Custódio (UFMG)

 

2º bloco: dia 18 de setembro de 2020, às 10h
“Contaminantes em alimentos processados” – Dra. Adriana Arisseto (UNICAMP)
“Contaminantes em embalagens” – Dra Marisa Padula (ITAL)